quarta-feira, 11 de julho de 2012

Agora Você Nem Me Nota

Depois de uma conturbada manhã no sofá, duas horas de aula nas férias, e muito resmungar, resolvi que estava na hora de ir pra casa de Flora. Antes do escurecer, consegui chegar. Depois de brincar com a Caty Perry (nome criativo pra uma gata mascarada), ficar no pottermore, comer mousse de maracujá (no caso eu, por que sou uma gorda e me orgulho), e atormentar a vida da Caty com o espirrador de água, fomos intimadas a nos arrumar com rapidez, por que a mãe de Flora estava chegando. Corremos, nos vestimos, e fomos capazes de nos arrumar em tempo. Ao chegar no bar (que por acaso se chamava Eletro Cana Rock), encontramos poucos conhecidos. A medida que as pessoas iam chegando, o barulho ia aumentando e mais gente conhecida aparecia (inclusive a banda que ia tocar). Margot e Flora estavam com fome, e eu, bem, eu estou sempre com fome. Fomos em um barzinho suspeito (depois de um interrogatório dirigido a Iuri sobre como ele conseguiu água), que tinha uma estante cheia de cachaça barata, coca-cola, guaraná, pastel de forno e enroladinhos. Eu e Flora optamos pelo enroladinho, mas Margot teve o azar de comer o pastel, que segundo ela, estava nojento. Voltamos a tempo de vê-los tocar, não sem antes sermos obrigadas a deixar nossas latinhas de coca gelada lá embaixo, por que no bar não eram permitidas latinhas. Adentramos, mais uma vez, o corredor escuro digno de filme de terror que levava ao bar, e nele encontramos um Lucas disposto a assustar uma já assustada Flora. Depois de ficar no corredor durante uns minutos, voltamos ao bar absurdamente abafado (que nem todos os da Ribeira). Começaram a tocar, e tocaram tão bem que em alguns minutos, eu me surpreendia em ouvir a voz de Lucas, e não do Eric Clapton. Apesar dos problemas com a bateria e o microfone, a banda foi fantástica. Quando tocaram Wonderful Tonight, Flora, que por ventura estava mais alta que eu, pois se encontrava em pé em um simpático sofá feito de madeira, tinta e pneus usados, me abraçou, e dançamos a música inteira, aquela dança calma, aquele gingado de um lado pra o outro que se faz em músicas lentas. Uma vibe totalmente amorosa, só amor. Muito amor pra ser verdade, a polícia chegou. E o problema era a hora e o som. Mesmo que o bar estivesse vendendo álcool pra menores, o problema era o barulho. Coisa estranha, já que na Ribeira (bairro previamente mencionado em alguns textos) sempre rolou som até tarde. O show foi cortado ao meio, e como as melhores músicas foram deixadas pra o final, nunca chegamos a ouvi-las de fato. A cortada abrupta da diversão, do amor, da música me deixou atordoada. Os policiais foram simpáticos, gentis, gente boa. Avisaram pra galera que tava bebendo e ia dirigir pra ir pra casa logo, por que lá vinha o bafômetro, se desculparam com as bandas que iam tocar depois, e nos expulsaram gentilmente (na verdade, só cortaram o som. Com isso, nos sentimos expulsos e descemos a escada irregular). Com todos os poréns, foi aquele tipo de energia que não dá pra tirar do corpo por muito tempo, que fica perpassando as veias, que nos faz sorrir e lembrar. Obrigada pelo show, obrigada pelo dia, e boa noite Natal.

4 comentários:

  1. Curti. Exceto o final, não por estar mal escrito ou coisa assim, muito pelo contrário. Mas porque o show não deveria parar, muito menos num lugar como a ribeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, visitarei aqui mais vezes, gostei do ambiente.

      Excluir
  2. Eu seeeeeei, o som não pode parar, achei o maior vacilo de todos. A Ribeira é o antro da música boa, e agora com todos os bares tipo o jazzy tretando com menor de idade, onde é que menor de 18 anos vai pra ouvir música boa em natal?

    ResponderExcluir