sábado, 24 de outubro de 2009

Are you happy?


Outro dia eu estava pensando em como as coisas são complicadas. Em como o amor é complicado. EM como as relações interpessoais são complicadas. Em como as coisas são complicadas no geral. Você para pra pensar se vale mesmo a pena mudar pra uma pessoa que você ama. SE vale a pena mudar por um namorado, já que a probabilidade de vocês acabarem é maior do que a de vocês ficarem juntos. Você para pra pensar se metade das coisas que você faz vale realmente a pena. E daí você para pra pensar de novo nisso. Se você parar de fazer essas coisas, quem é que vai fazê-las? E daí se as probabilidades de você ser reconhecido são quase nulas? Você faz por que sua vida vai ficar mais feliz se você fizer. Você muda por um namorado por que você achou valer a pena, e por que você o ama. Você estabelece relações interpessoais não por que você quer tirar vantagem, mas por que você gosta das pessoas, por que elas te fazem bem e vice-versa. Então em um completo devaneio, você percebe que se você está feliz, continue fazendo o que diabos te faz feliz, e não se esforçando para o contrário. Por que a vida é muito curta pra passar mais tempo triste do que sorrindo. Eu já passei por momentos que me fizeram querer desistir de querer reconstruir meu castelo de areia, de desistir de tudo, de abandonar esse mundo e não dar satisfações pra ninguém. Mas aí eu parei e pensei: Por mais que as coisas estejam difíceis, tem sempre uma luz no fim do banho, velho. Está feliz? Continue fazendo o que você está fazendo.

sábado, 17 de outubro de 2009

Gente, estou com um problema no envio de imagens, portanto, quando eu solucionar esse problema coloco as imagens que estão faltando.

último texto inspirado em uma conversa com Ivilla rs
E muitos dos textos foram inspirados em músicas, então algum dia eu coloco os nomes dos artistas e das músicas na ordem de postagem rs
Primeiro lembrete postado ae.

Silly Fairy Tales.


“So I hope you understand, I wanna hold you bad”

Sempre achei essa história de contos de fada a maior besteira inventada pela imaginação. As pessoas se conhecem um dia de verão ensolarado, e em outro dia de verão ensolarado o vilarejo avista uma fulgurante figura branca, sorrindo. E então o principe e a princesa se casam e vivem felizes para sempre. Erro número um: Nem todos os dias de verão são ensolarados, fato. Erro núumero dois: Relacionamentos levam tempo, precisam de trabalho, de convivência, de amor. Não basta simplesmente que duas pessoas se conheçam e decidam que vão dar certo e vão se casar. Um relacionamento cozinha no fogo baixo, lentamente até estar no ponto certo. Erro número três: Na vida não existem pessoas perfeitas, o amar se baseia em achar a perfeição no imperfeito, e amar até os defeitos desse alguem, por mais que seja dificil. Alias, não deve ser dificil, o amor não foi feito pra sofrimento, foi feito para curtir e aproveitar, e se está dificil então não vale a pena. O amor não é feito de acertos, mas de erros também. Não é uma equação, não é um concurso de beleza. É algo que vem de dentro pra fora, um sentimento seu. Algo que não precisa ser acreditado, apenas aceitado e vivido intensamente. Por que quase inevitalvemente, há de se acabar. Erro número quatro: Não dá pra viver feliz pra sempre. Brigas, conflitos, desentendimentos, erros, desinteresse, mudanças. Nada é feliz pela eternidade, convenhamos que se fosse, seria chato. Por que tudo seria feito de alegrias, e iamos acabar por nos cansar de toda essa monotonia e jogar alguem do penhasco. As coisas só podem ser felizes se tivermos a tristeza para comparar com a felicidade.E o último erro: O amor não acontece por que somos bonitos, temos um diploma, cursamos um curso de culinária na França, por que somos ricos, por que somos da monarquia, por que estamos afim. O amor aconetece por acaso, com pessoas que você nem imaginava se apaixonar, seu melhor amigo, seu vizinho, seu amigo meio quieto da escola, aquele garoto que você achava patético, aquele que você nunca falou nada, mas sempre achou bonitinho, o garoto do curso de inglês, da natação, que assistiu sua apresentação, o filho da sua professora, o garoto que gosta de Queen, o garoto que você viu no shopping, o que você conheceu por causa dos seus amigos. Todos são possibilidades, são imperfeitos, infantis, patéticos, estúpidos, e antipáticos. Mas você o ama mesmo assim.E acaba por aí, até que se tenha coragem de dar o primeiro beijo.