segunda-feira, 13 de julho de 2009

Eternamente.


Era isso. Tinha acabado. Agora eu sentia um vazio no coração. Quatro anos deixados pra trás. Talvez eu levasse mais quatro anos pra superar. A chuva começou a cair lá fora. Pingo por pingo. Sentei-me no vão da janela. Minhas lagrimas caíram no ritmo da chuva. Eu vi os pingos caírem no chão. Um por um. Também vi os pingos mancharem o estofado azul. Um por um. Uma figura indistinta apareceu em minha janela. Era uma grande janela vitoriana, com um vão estofado, onde eu estava sentada. Enquanto a chuva engrossava, a figura se tornava mais indistinta. Ouvi batidas baixas na janela. Enxuguei parcialmente os olhos. Abri a janela. Encontrei-o com um grande sorriso nos lábios e flores desgastadas pela chuva. – você é um idiota, sabia? – Eu falei, rindo de sua cara abobada. – sabia – Ele sorriu. Um sorriso verdadeiro. Um sorriso, que, por menos tempo que a gente tenha passado sem se ver, eu sentia falta. – então, eu queria saber se você me desculpa, por que eu preciso de você pra viver. Na verdade, talvez não precise, mas minha vida ia ser vazia e inútil sem você. E alem do mais, eu quero ser quem enxuga suas lagrimas, não quem as provoca. Casa comigo? – eu senti o vazio se apagando. Lentamente, mas completamente. – caso. Com certeza que caso. – pulei a janela e deixei a chuva molhar completamente o estofado da janela. Pulei nas costas dele, e o derrubei no chão. Rimos. Ficamos encharcados, mas felizes. Ele me deu o anel mais lindo que eu já ganhei. E nós não vivemos felizes pra sempre. Por que ninguém vive feliz pra sempre. Vivemos felizes, e tristes, e confusos. Vivemos a vida como ela deve ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário