domingo, 26 de fevereiro de 2012

Ventura (Parte 3)

“Letícia atira nos dois, bebe um gole da garrafa e sai, deixando os corpos para trás. Entra Bianca.”
BIANCA: De meretriz, tenho só o dinheiro. Alguém completou o meu trabalho para mim. Com essa, eu não contava. Poupou-me trabalho. Agora é tudo meu. E de Amanda, mas desta, apenas por pouco tempo, por que assim que o veneno da bebida dela agir, tudo será meu. Não foi uma história de amor, a minha. Foi de vingança. Não era história de perdão, não, era história do sofrer. Nem tudo é um mar de rosas. Seja pelo ódio cego ou pela ganância, de que importa? O amor está morto.
“Entra Amanda com a arma de Letícia, e atira em Bianca pelas costas.”
AMANDA: Assim como você, minha irmã.
“Amanda deixa o quarto, e entra Helô”
HELÔ: Isso é a prova que perdição só traz perdição, e sangue só traz sangue. Seja desse que corre em nossas veias, seja desse que corre nas veias alheias. Pobres almas.
“Helô sai, cortinas fecham.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário