terça-feira, 12 de outubro de 2010

Hold Me Tight.

"So hold me through the night, you'll be unawere, if you need me, I'll be there."

O colchão estava molhado. O gato miava, completamente alheio ao pequeno embrulho no colchão. Um coração pulsava, quente como novo. Pulsava pequeninho. E o outro pulsava grande, bem ao seu lado. Mas variava. Ficava na dele, batendo cada vez mais devagar. Batia e parava. Tum. Silêncio. Tum. Silêncio. Tum. Silêncio. Ambos batiam em harmonia, as vezes mais baixo, as vezes mais alto. Esse coro as vezes se misturava e se perdia nas buzinas do trafego agitado das manhãs barulhentas de Manhattan. Perdia-se com as almas corrompidas de policiais e bandidos, mendigos e hérois, deixados no limbo ou esquecidos aos sol para queimarem. Esses dois corações pulsantes temem e sofrem, esperando acordar ou jamais fazê-lo, e perseguem esse objetivo cegamente, com medo de desistir de si e deixar-se pra trás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário