terça-feira, 13 de novembro de 2012

Ando Em Frente Por Sentir Saudade

Na classe, o professor colocou um vídeo. Vídeo pesado. Cheio de terror. Não havia sangue. Havia brutalidade. Algo nada incomum no mundo. Crueldade, exposta, nua e crua. Seus olhos lacrimejavam. Já tinha visto tal vídeo uma vez. Não estava gostando de vê-lo de novo. Esfregando na cara aqueles corpos putrefatos de milhares de judeus no holocausto. Era judia. Se sentia judia. Sentia dor mental e física vendo aquilo. As pessoas, negando envolvimento. Como podiam? Nunca protestaram. Nunca foram contra. Se não foram contra, apoiaram. Sentia nojo, sentia repulsa. No escuro, encontrou uma mão. Uma mão que afagou a sua, que apertou a sua, que partilhava da sua repulsa. Uma mão, que por mais que fosse quase tão fajuta judia quanto a dela, era uma mão amiga. Uma mão que sentia, involuntariamente, as agruras do vídeo. Sentia mais que os outros. Apertaram as mãos, em sentimento conjunto de cumplicidade. Eram amigos a mais tempo do que podiam contar. Aquela intimidade, de apenas segurarem as mãos, deu a ela forças pra não chorar, levantar a cabeça e encarar os dias. Se os sobreviventes tão sofridos dos campos de concentração conseguiram, ela conseguiria. Conseguiriam. Como estava sendo tão difícil sem ele. Sem aquela mão ossuda pra apertar, aquele corpo conhecido pra sentir junto ao seu quando as lágrimas rolavam, que nem no dia do vídeo. Volta. Aquele vídeo mostrou pra ela que enquanto tivesse aquela mão, nunca estaria sozinha. Super amigos pra sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário