sábado, 27 de novembro de 2010

Quelqu'un M'a Dit

“Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors?”


Alguém me disse que a vida é breve e passa como um raio. Esvai que nem um rio que seca, e acaba murcha que nem uma rosa. Enquanto eu limpo minhas lágrimas, alguém me disse que você ainda me amava. Será verdade? Espero que sim. Levanto o vestido e sacudo as folhinhas e pedaços de grama que grudaram nele enquanto estive sentada. Alguém me disse que o tempo é um bastardo e se fortalece nas nossas tristezas. Alguém me disse que você ainda me amava. Será possível então? Giro no campo florido esperando talvez prolongar algo inacabado mas que já dá seu último adeus e se joga na caixa de lembranças. As coisas passam rápido diante dos meus olhos que giram. Será que ainda me ama? As nuvens, as flores, os pássaros, os carros, longínquos, e o som das coisas inexistentes, mas que insisto em ouvir. Caindo no chão, vejo as nuvens gordas caminhando suavemente no céu, com a preguiça de sempre, mas como de usual, diferentes. O vinho vermelho como sangue inquieto na garrafa verde, assinalando para um promissor dia de verão. Será que ainda me ama? E girava, e ria, eu ria e girava. Alguns pingos de chuva finos começaram a cair. E eles engrossaram. Apontavam para que eu corresse com a garrafa de vinho na mão para lá. Correndo, quase derrubei a garrafa, mas eu ainda sorria. Será que ainda me ama? Chegando, bati na porta. “Alguém me disse que você ainda me amava. Agora não me lembro mais quem foi, só do tom da sua voz dizendo ‘ele ainda te ama, mas jamais conte a ele que eu lhe contei’ era tarde da noite, mas não me lembro mais” e entrei. Alguém me disse que a vida é tão breve quanto um dia, e que um dia se está lá, e no outro não se está mais. Alguém me disse que o tempo constrói a ele mesmo na tristeza, mas que se passa longamente. Alguém me disse que você ainda me amava. Alguém estava certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário