sexta-feira, 15 de março de 2013

Eu, Aflito E Só

É, morena, tá tudo bem. Está? Caramba, parece que esse ano tá se arrastando. Se arrastando... Bem devagar. Queria muito ver o fim desse dia, desse mês, desse ano. A começar pela minha reprovação. Que porcaria que é conviver diariamente com pessoas que praticamente nada tem a ver com você. Que porcaria é arrastar o ensino médio por mais um ano. Que porcaria que é se arrastar da cama, todos os dias, sem um propósito, sem uma vontade, sem um por quê. Sem. Só querendo passar por mais um dia, mais um dia pra morrer, mais um dia pra viver. Como disse Marcelo Camelo, é como se a alegria recolhesse a mão pra não me alcançar. E a cada dia, o dia consegue ser pior. Não importa o quanto eu diga pra mim mesma que vai ficar tudo bem, que vai tudo se resolver, que eu vou conseguir resolver tudo, parece que, por mais que eu tente resolver, tudo se embaralha mais. Nem lendo e vivendo na vida de outra pessoa eu consigo deixar isso de lado. Me consome de dentro pra fora. E de fora pra dentro. Parece que tudo que eu faço é chorar. Chorar até secar, secar por dentro a alma. Pesando a alma. Como se constantemente meu coração sangrasse, escorresse, mas ninguém mais vê. Já bati meu recorde de doenças esse ano. Umas sete, desde fevereiro. A escola tá me consumindo, a vida tá me consumindo. A maior vontade é de parar de existir, parar de respirar sem notar e sumir. Sumir. Mas como disse Bukowski, isso eles não deixam. Tem tristeza mais profunda do que quando a gente chora ouvindo Los Hermanos? E vê a nossa dor se fundir com a deles, devagar. É bom conversar com quem conserva dor dentro de si também. Você se compreende melhor e compreeende a dor do outro melhor. Se completa melhor, se sente melhor. A sua dor em mescla com a dor do outro é um bálsamo de compreensão. Doer sozinha é ruim. Doer sozinha é dor guardada, que não dá pra explicar, por que ninguém consegue entender, ninguém que não dói também entende por que uma menina de classe média, com comida na mesa, alguns bons amigos, um namorado, formação escolar boa, acesso a tudo no mundo, despeja lágrimas tão febrilmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário